Chacaltaya e Valle de la Luna

Chacaltaya

Esse passeio é um dos “the best” para quem vai a La Paz. É imperdível pela beleza da vista que o lugar promete e entrega. Mas como nem tudo são flores, foi o que fiz de mais difícil nessa viagem, digo pelo empenho físico que precisa ter e olha que não se caminha tando assim, mas é por conta do grau de dificuldade que altitude de 5395 metros nos coloca.

dsc_0311
Essa é a vista final, no pico da montanha a 5395 metros de altitude.

Um pouco de história e informação de quando se pode visitar esse lugar!

Chacaltaya, era uma estação de esqui, a mais alta do mundo, mas fechou em 2002 por conta do aquecimento global, pois não teve mais neve suficiente no inverno. Desde então ela é visitada por turistas que sobem até seu topo batem fotos e retornam a cidade de La Paz.

Curiosamente, ao contrário do inverno, no verão neva muito na montanha, mas ainda não o suficiente para esquiar e como a estrada é perigosa por ser de terra em meio a penhascos, no verão não é possível subir para fazer o passeio. Triste, pois é uma época que o povo viaja bastante!

 

A explicação do porque neva no verão é por conta do período chuvoso em La Paz, pois as nuvens ficam abaixo da montanha e o efeito disso produz neve. Estranho né?!

Aliás, o inverno é extremamente seco, raramente chove e por tudo que vivi penso que a melhor época para se visitar a Bolívia e Peru seja mesmo o inverno, pois imagina somar a falta de ar com o calor? Nunca!

Sobre a perigrinação até o topo: 5395 metros de altitude

Contratamos este passeio em La Paz mesmo pois o decolar.com não conta com atrações da Bolívia; Porém, todas agências turísticas de La Paz oferecem o passeio e a cada esquina do centro da cidade tem uma agência.

O transporte com guia custou 100 bolivianos. Também tem de se pagar 15 bolivianos de entrada em Chacaltaia e Valle de la Luna.

As agências sempre oferecem o passeio de Chacaltaya junto com o Valle de la Luna, mas aqui vai uma dica de ouro: tente fazer separadamente e com mais tempo em Chacaltaya. Acho que para ser bom e tranquilo se precisa de ao menos 2:30 na montanha: 1:30h para subir com calma, 30 minutos para explorar o topo e depois mais 30 minutos para descer e explorar a antiga estação de esqui, pois o lugar é bastante bonito. Vale tanto que se a agềncia não te vender os passeios separadamente, indico contratar um taxi, que na Bolívia não é algo tão caro assim. E para ir ao Valle de la Luna que fica próximo ao centro se pode ir até de teleférico, taxi ou van.

A nossa experiência foi um pouco frustrante pois tivemos um pouco mais de uma hora no lugar e isso é extremamente pouco, pois é demorado e cansativo subir até o topo e quando lá chegamos tivemos apenas 10 minutos para aproveitar e tirar fotos, ou seja, não tivemos aquele tempo necessário para contemplar; acho muito chato tu ver o lugar depois por fotos, aliás tivemos ainda que dividir o ponto de foto nos 10 minutos com as outras pessoas.

O passeio iniciou as 8:30 com saída do nosso hotel mas na volta as 15:00 fomos deixamos na Igreja matriz no centro (que para nossa sorte ficava na nossa rua). Aí vai uma pincelada na dica de hospedagem, sempre fique no centro e principalmente aos arredores da rua Sagarnaga, principalmente para poder sair a noite para jantar a pé.

Outra dica: leve algo como chá de coca ou ao menos a água florida para dar um alívio ao mal estar da altitude. E como nesses lugares não há comércio e nem no caminho,é essencial levar um lanche e água.

E o que vestir para esse passeio? Sapatos/tênis confortáveis, pois a subida é em meio a poeira e pedregulho até o topo. Também um casaco corta vento, luvas e touca; se tiver algo para cobrir o rosto (lábios) também é bom; mantas, devem estar bem presas para não sairem voando. A temperatura com certeza foi negativa e em junho e julho é estimado que fique em volta de -10 graus (isso em dia com sol).

E agora vamos iniciar os relatos de taquicardia e falta de ar, pois foi assim que me senti e fui insistindo comigo mesma para chegar ao topo.

Chegamos até o pé da montanha de van; aliás se anda a maior parte do passeio numa estrada de terra em meio a nuvens de poeira e penhascos; dá bastante medo em alguns trechos mas vai se tendo vistas bacanas e assim a gente se distrai.

Chegamos onde ficava a estação de esqui a cerca de 5200 metros de altitude e dali por diante foi preciso subir uns 300 mentros por uma trilha em meio a pedras.

A primeira subida é terrível, bem íngreme e por conta da altitude é complicado respirar e se esforçar para subir. O grau de dificuldade é tanto que duas pessoas desistiram de subir ali mesmo. A sensação é de taquicardia e falta de ar.

img_8291

E para piorar, no lugar venta muito e há partes que se precisa ter mais atenção para não perder o equilíbrio.

Mas depois de estar com o coração na mão e a cabeça estourando chegamos ao topo. Foi bem pouco tempo, não consegui fazer a foto que queria pois havia muita gente no topo e todos queriam a mesma foto e como a educação é algo que primo muito não me atirei na frente das cameras deles. Então fica a dica: vá com um motorista particular ou com uma agência que faça só esse passeio no dia e com o tempo de ficar na montanha de ao menos 2:30 hrs.

img_8241

img_8244
Esses lagos coloridos dão um toque especial a vista.
img_8285
cheguei com o coração na mão, mas cheguei, hehehe

 

Valle de la Luna

img_8499

Este passeio é oferecido juntamente com o de Chacaltaya. Como mencionei antes, é adquirido em qualquer das milhares de agências de turismo de La Paz.

O Valle de la Luna fica para o lado contrário de Chacaltaya, então pela manhã se vai a Chacaltayaa e no início da tarde se retorna a La Paz e segue-se para a parte mais nobre da cidade onde fica o Valle de la Luna.

O lugar fica à beira da zona urbana e o contraste é enorme, pois de um lado se vê a rua pavimentada e do outro essa formação geológica que te intriga tanto.

O Valle é uma formação geológica formada a partir da erosão de uma montanha. Para visitar ele você é convidado a caminhar em meio a passarelas e trilhas feitas pelo valle; é uma caminhada de uns 40 minutos.

O lugar é exótico e vale muito a passada por lá, algo totalmente diferente do que já havia visto.

A minha sugestão para esse passeio, como já disse, é que se faça separadamente de Chacaltaya; podes tomar uma van ou ir de taxi (fica relativamente próximo do centro). É um local que não se precisa de guia para visitar, pois a trilha é bem sinalizada.

Então, para esse passeio já tens a manha e com certeza tua experiência poderá ser melhor que a minha.

Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: